quarta-feira, 26 de abril de 2017

Informativo da Câmara Municipal de São Luís

“Falta soro, gaze e até esparadrapo”, denuncia deputado Wellington sobre caos no Socorrão I de São Luís


O deputado estadual Wellington do Curso (PP) utilizou a tribuna, na manhã de hoje (26), para denunciar a situação caótica do Hospital Djalma Marques (Socorrão I) de São Luís. A denúncia reflete reivindicações de médicos e pacientes que sofrem com o descaso.
Ao se pronunciar, Wellington destacou que a situação do Socorrão I está tão precária que “falta soro, gaze e até esparadrapo”
“De acordo com denúncias, desde que o teto da Urgência e Emergência do Socorrão II caiu, todos os pacientes de clínica médica estão sendo direcionados para o Socorrão I. A demanda aumentou, mas não cresceu proporcionalmente a disponibilização de insumos. Como consequência disso, falta o básico como soro fisiológico, desde segunda-feira. Ora, há paciente para operar, para fazer hidratação. Como que os médicos podem realizar tais atividades quando nem soro fisiológico há? Falta esparadrapo, gaze…falta o básico. Os médicos, enfermeiros, técnicos estão à disposição para trabalhar com amor e muita dedicação, mas é necessário que a Prefeitura dê condições para que haja o atendimento”, disse Wellington.
Em relação à falta de infraestrutura, Wellington propôs que a Comissão de Saúde da Assembleia fizesse algo e pontuou sobre a formalização da denúncia ante o Ministério Público.
“No Maranhão, parece que há ‘dois hospitais’: o da propaganda enganosa e o da realidade. Isso fica evidente quando vemos a situação do Socorrão I. Enquanto deputado estadual, o que eu posso fazer é denunciar e apresentar soluções. Entre elas, solicito aqui que a Comissão de Saúde, da qual eu faço parte, visite os hospitais e constate a precariedade dos locais. Nós precisamos fazer algo. A SAÚDE NO MARANHÃO PEDE SOCORRO, ”, finalizou o parlamentar.

Inscrições abertas para a segunda edição do seminário Revitalização dos Rios Maranhenses e Suas Nascentes

O evento vai acontecer no auditório da Faculdade de Educação São Francisco- FAESF, em Pedreiras
Será realizado no dia 26 de maio, no município de Pedreiras (MA), a segunda edição do seminário “Revitalização dos Rios Maranhenses e Suas Nascentes”. O evento vai acontecer no auditório da Faculdade de Educação São Francisco- FAESF, das oito ao meio dia, e reunirá legisladores; representantes dos setores público e privado; entidades ambientais, estudantes e outros.
Realizado pelo Instituto Cidade Solidária e senador Roberto Rocha (PSB), com co- realização do Movimento Ensinando e Aprendendo (MEA), o seminário pretende refletir e traçar estratégias para revitalizar todos os rios maranhenses, com foco nas bacias do Rios Itapecuru, Parnaíba e Mearim.
A primeira edição do seminário ocorreu no mês de março, no auditório da Fiema, em São Luís, e reuniu cerca de 800 pessoas entre políticos, empresários, gestores, ambientalistas, estudantes, entidades, órgãos públicos e privados, dentre outros profissionais de diversas áreas, que por meio de palestras e mesas redondas, apresentaram projetos sobre meio ambiente e discutiram ações de responsabilidade socioambiental.
Em Pedreiras, a cerimônia de abertura terá a presença do senador Roberto Rocha e de outras lideranças políticas do estado.
Na oportunidade, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF), vai explicar o seu planejamento para a Bacia Hidrográfica do Mearim. Haverá ainda a palestra com o professor Antônio Lopes do Bomfim Neto, chefe do departamento de ciências Agrárias da UEMA – Campus Bacabal.
 
As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo e-mail inscricoes@cidadesolidaria.org, ou pelo telefone (98) 9-9221-1261. A entrada será mediante 01 quilo de alimento não perecível, que será doado para instituições de caridade da região do Médio Mearim.

Tribunal de Justiça revoga decisão que bloqueava bens do ex-prefeito Gil Cutrim

 
Desembargador Paulo Velten, além de tornar sem efeito despacho do juízo de primeiro grau, desmontou as alegações feitas pelo MPE.
 
O Tribunal de Justiça do Maranhão, em decisão proferida nesta última terça-feira (25), tornou sem efeito despacho do juízo de primeiro grau que bloqueou os bens do ex-prefeito do município de São José de Ribamar, Gil Cutrim (PDT).
 
A decisão da 1ª Vara Cível da cidade foi emitida semana passada e atendeu ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual.
 
A promotora Elisabeth Mendonça baseou a ação, com pedido de indisponibilidade dos bens de Cutrim, seis funcionários do município e cinco empresários, em supostas irregularidades contidas em um convênio, firmado em 2013, entre prefeitura e governo do estado, através da Secretaria das Cidades, para asfaltamento de vias no município.
 
O relator do agravo de instrumento impetrado pelo ex-prefeito, desembargador Paulo Velten, além de revogar decisão do juízo de primeiro grau, desmontou as alegações feitas pela promotora de Justiça.
 
Para Velten, “examinando a prova dos autos, não há nenhuma comprovação de que o agravante [Gil Cutrim] tenha autorizado o pagamento integral do valor do objeto do convênio. Ao contrário, conforme se verifica das peças juntadas no inquérito civil e que instruem a ação de improbidade, a informação que exsurge é a de que o Estado do Maranhão somente havia repassado ao município de São José de Ribamar o valor equivalente a 70% do convênio, retendo os 30% finais. Nesse caso, sem ter recebido o valor total, não havia como o agravante efetuar o pagamento integral dos serviços contratados que deveriam ser executados em função do mesmo convênio”.
 
De acordo com o desembargador, “de mais a mais, o que se verifica também é que tanto o convênio estabelecido com o Estado do Maranhão, quanto o contrato firmado como a empresa responsável pela execução dos serviços, continuam em vigor, motivo pelo qual também não se pode dizer que a obra pública encontra-se inacabada, como reconheceu equivocadamente a decisão agravada”.
 
Paulo Venten finalizou afirmando que não existem indícios mínimos que apontem ato de improbidade lesivo ao erário público e, por conta disso, está suspensa a ordem para bloqueio dos bens do ex-prefeito.

Palestra abordará uso da Cannabis no tratamento do autismo nessa quinta-feira, 27

SÃO LUÍS - Promovido pelo Núcleo de Acessibilidade da UFMA, ocorrerá, nessa quinta-feira, 27, às 18h30, no Auditório do Centro Pedagógic o Paulo Freire, a palestra sobre o uso do óleo da Cannabis no tratamento do autismo, com o médico especialista em medicina preventiva e social, professor Paulo Fleury Teixeira. Ele é pioneiro na pesquisa sobre o uso da Cannabis para tratar de sinais, sintomas e distúrbios associados ao autismo.
O professor Paulo Fleury Teixeira coordena o estudo “coorte prospectiva”, sobre o tratamento da doença por meio de Óleo de Cannabis, rico em CBD9OC. Conhecido como Canabidiol, o produto é derivado da maconha, com resultados preliminares que demonstram avanços e desafios. O grupo de pesquisa é formado, em sua maioria, por meninos com idade de 10 anos, residentes em trê s estados do país. Todos recebem doação do OC da marca CBDRX Prime organics, produzido pela empresa norte-americana CBDRX, sediada no Colorado (EUA), que é parceira na pesquisa.
Ao todo, são 18 crianças e adolescentes do país que sofrem com sintomas e problemas associados aos Distúrbios do Espectro do Autismo (ASD). Eles fazem parte da Associação Brasileira de Pacientes de Cannabis Medicinal – AMA+ME. Os resultados do estudo ainda são parciais e preliminares, mas já apontam avanços. De acordo com os pesquisadores, mais de 80% dos pacientes apresentaram melhorias consideráveis na redução da hiperatividade e dificuldade de concentração, aspectos identificados pelos pais no registro da evolução mensal do paciente e também pela avaliação clínica. Mais da metade apresentou melhorias quanto à redução e maior controle das estereotipias, agressividade e autoagressividade.
Segundo a coordenadora do Núcleo de Acessibilidade da UFMA, Maria da Piedade de Oliveira Araújo, o interesse em trazer o pesquisador surgiu em função dos trabalhos que a UFMA desenvolve, principalmente aqueles voltados para a fitoterapia. “Esse intercâmbio visa contribuir para o aprimoramento dos nossos pesquisadores, para que eles se aprofundem no estudo e possam, assim, ajudar outras crianças”, ressaltou a coordenadora.
Para Maria da Piedade, já é possível ver alguns resultados satisfatórios. “Um trabalho dessa natureza vem somar com as pesquisas existentes na universidade. Precisamos que isso seja divulgado, e o local mais apropriado é a Universidade Federal do Maranhão”, acrescentou.
A palestra é aberta à comunidade estudantil, corpo docente, médicos de fora da universidade e famílias que moram no entorno da UFMA. O evento é uma realização do Núcleo de Acessibilidade da UFMA e ocorre no Auditório Central Paulo Freire, às 18h30.